Doping tira vaga da equipe francesa de hipismo nos Jogos do Rio

A Federação Equestre Internacional (FEI) informou nesta quinta-feira que a França está fora da competição do CCE por equipes na Olimpíada do Rio, por causa de doping.

De acordo com os dirigentes da entidade, o país perdeu a vaga que lhe pertencia por ter violado as regras em relação ao doping.

O cavalo do francês Maxime Livio testou positivo para um medicamento sedativo proibido durante a disputa dos Jogos Equestres Mundiais no ano passado, justamente na França. A equipe do país, que incluía Livio, terminou a competição na quarta colocação e, com o resultado, garantiu vaga nos Jogos do Rio.

A medida atua de acordo com as normas da FEI, que normalmente desclassifica os cavaleiros e as equipes mesmo com apenas uma violação às regras de doping. Maxime Livio também perdeu a quinta colocação que conquistou no individual nos Jogos Mundiais.

O Canadá, que havia ficado com a sétima colocação na competição entre equipes, agora garante uma vaga para os Jogos do Rio. A FEI informou ainda que seu tribunal definiu somente as desclassificações e ainda poderá tomar medidas mais duras no futuro.

doping
Maxime Livio

 

Fonte: Estadão.

Você e seu cavalo no Hipismo&Co:
Catarina Mariano de Castro

Hoje é dia de entrevista no Hipismo&Co. Conheçam a amazona Catarina.
catarina1
Nome:
Catarina Mariano de Castro

Nome do cavalo:
Craque

Onde monta:
Equestrian Center, Franca-sp

Modalidade/altura/categoria:

Salto, 1,00m e algumas provas de 1,10m, categoria Mini-mirim

Quando você começou no hipismo? Você se lembra da primeira vez em uma hípica?

Comecei no hipismo com 5 anos, em 2007, mas tenho contato com cavalo desde muito pequena, com 1 ano eu já andava a cavalo. Visitava hípicas, fazendas com meus pais.Qual foi sua prova inesquecível?
Foi quando participei do Campeonato de Salto Nacional em Orlandia, no Agromen, com um animal que eu ainda não tinha feito conjunto. Foram três provas perfeitas, realizadas com muito esforço e fiquei em quinto lugar.

Você tem algum ritual antes da prova?
Sempre realizo orações antes da prova com a mão em meu cavalo, peço proteção e ajuda. Além disso ao final da reza faço uma cruz no pescoço do meu cavalo e dou um beijo.

Qual seu concurso preferido no Brasil?
Existem vários, mas um dos meus preferidos é o Torneio de Verão.

Existe alguma prova do qual gostaria muito de participar?
Sim, gostaria muito de participar de um Pan americano.

Qual seu ídolo no esporte?
Tenho dois ídolos no esporte, Vitor Alves e Rodrigo Pessoa.

O que você mais gosta no ambiente hípico? E o que você mudaria?
O ambiente hípico pra mim é um dos melhores lugares de minha vida, junto ao meu cavalo me sinto nas nuvem. Quando salto pareço estar voando. Eu não mudaria nada em minha hípica pois amo muito tudo que tem lá.

O que o hipismo mudou na sua vida?
Com esse esporte maravilhoso comecei a sonhar e ver que tudo é possível. Aprendi a perder e a ganhar, além de ganhar força e persistência.

Você tem algum filme ou música que te inspira nos seus treinos? Qual?
Vários filmes e um deles é o Flicka 3.

Qual foi o cavalo que mais te deu alegria e porque?
Essa é uma pergunta muito difícil pois com todos eles estive nas estrelas, cada um teve uma época e não posso definir o que me deu mais alegria, todos foram muitos importantes pra mim.

O que seu cavalo representa para você?
Para mim ele representa vida pois sem ele não poderia viver.

catarina2

Veja as outras entrevistas da seção “Você e seu cavalo no Hipismo&Co” aqui.

Se quiser participar dessa seção. Nos envie suas respostas com no mínimo duas fotos para o e-mail contato@hipismoeco.com.br

Fotos: Arquivo Pessoal Catarina Mariano de Castro

Voce e seu cavalo no Hipismo&Co:
Caroline Fernanda Morais

Mais uma amazona de salto aqui no Hipismo&Co. Conheçam um pouco da história hípica de Caroline.

!cid_ii_142df6a796b6bf69

 

Nome:
Caroline Fernanda Morais

Nome do cavalo:
SL Matreiro

Onde monta:
Equestrian Center – Franca – SP
Modalidade/altura/categoria:
Salto,
1.10m/ Jovem Cavaleiro

Quando você começou no hipismo? Você se lembra da primeira vez em uma hípica?
Comecei a praticar hipismo em fevereiro de 2009 aos 13 anos. Mas minha história com cavalos começou quando eu tinha 3 anos e sempre ia na companhia do meu avô a vários haras, fazendas, hípicas. Como era muito pequena não me lembro muito bem.
Qual foi sua prova inesquecível?
No Haras Manoel Leão, fiquei em 3º lugar na prova de 1,00m com meu antigo cavalo Poente HV. Foi muito marcante, pois tinha muitos concorrentes bons com cavalos mais jovens e que saltavam mais alto. O Poente tinha suas limitações por ter 22 anos, mas mesmo assim superou grande parte dos concorrentes.
Você tem algum ritual antes da prova?
Sim, me concentro muito antes de entrar na pista, rezo com a mão direita no pescoço do Matt e peço proteção para nós dois.

Qual seu concurso preferido no Brasil?
Athina Onasis Horse Show.
Existe alguma prova do qual gostaria muito de participar?
Sim, Gucci Paris Masters.
Qual seu ídolo no esporte?
Me tornei muito fã do Gui Ciampi, após fazer uma clínica ministrada por ele. É um grande cavaleiro e uma pessoa extraordinária!

O que você mais gosta no ambiente hípico? E o que você mudaria?
Na minha hípica somos muito unidos e isso é maravilhoso. Odeio a inveja e a mania que alguns tem de se achar melhor do que os outros, então sem dúvidas mudaria isso.
O que o hipismo mudou na sua vida?
Muita coisa, me ensinou a ter disciplina, persistência, a não desistir e acreditar que sou capaz de conquistar tudo aquilo que desejo.
Você tem algum filme ou música que te inspira nos seus treinos? Qual?
O filme é O Encantador de Cavalos, já a música é Kings and Queens da banda Thirty Seconds To Mars (aliás no clipe aparece um cavalo).

Qual foi o cavalo que mais te deu alegria e porque?
Difícil responder pois todos os cavalos que já possui ou montei me ensinaram e me alegraram muito, mas como tenho que escolher, será o Poente. Ele foi muito marcante na minha vida, me ensinou muito dentro e fora das pistas; o amo muito!!!

O que seu cavalo representa para você?
Ele é meu pequeno príncipe gordo, um grande cavalo com um espírito muito forte, cheio de vida, muita energia e é meu grande companheiro.

 

Veja as outras entrevistas da seção “Você e seu cavalo no Hipismo&Co” aqui.

Se quiser participar dessa seção. Nos envie suas respostas com no mínimo duas fotos para o e-mail contato@hipismoeco.com.br

Fotos: Arquivo Pessoal Caroline Fernanda Morais

 

Tinker Bell uma égua que com muito amor superou barreiras

As pessoas do cavalo sempre tem histórias para contar sobre seus equinos. Acho que é um pouco como ter um filho, os pais sempre contam coisas sobre suas crianças.

Algumas vezes são narrativas de vitórias, superações ou relatos tristes. Tenho certeza que você que tem seu próprio amigo de quatro patas relinchante tem algo para contar.

A veterinária Karina Calciolari de Franca em São Paulo, nos contou como foi que a Tinker Bell apareceu em sua vida. É um lindo relato de superação, recuperação e conquista.

tinker3

Karina sempre foi  apaixonada por equinos, porém só pode adquirir seu primeiro cavalo aos 22 anos. Ela ainda estava na faculdade quando escolheu um baio amarilho meio sangue Quarto de Milha, que se chamava Goldy. Ele era seu companheiro e muito fiel, lhe deu muitas alegrias e troféus nas pistas de hipismo no interior de São Paulo. Mas no início de 2012 ela precisou vende-lo. Depois disso Karina ficou afastada dos cavalos e sentia muita falta da conviver com eles. Até o dia que ficou sabendo sobre uma égua Puro Sangue Inglês de corrida do Jóquei Clube de Franca, que na época era receptora de um programa de reprodução, sofria de uma doença grave no casco da mão e seria sacrificada. Seu proprietário não podia arcar com os custos de um tratamento. Mesmo com muitas dúvidas a jovem veterinária pediu para adotar a égua. Ela estava ciente da situação do animal, mas aceitou o desafio.

A égua, Tinker Bell chegou magra, desnutrida e muito apática. Seu pelo era ressecado e havia perdido mais de 40 por cento do casco da mão esquerda devido uma broca mal curada, além de ter muitos carrapatos e bicheiras. Foram meses e meses de curativos e cuidados. Com o apoio do hospital veterinário no qual Karina trabalha e o patrocínio de uma empresa que produz suplementos para casco e nutrição, Tinker engordou mais de 150 kg e teve seu casco recuperado completamente em 6 meses.

Com 4 meses de tratamento ela já era um animal ativo e saudável, sem dor ou claudicação, foi quando que por um acidente descobriram que ela estava no cio e que ovularia dentro de 1 ou 2 dias. Foi então que Karina percebeu que sua égua PSI poderia  realizar mais um dos seus sonhos, que era ter um potrinho em casa. Com a  inseminação artificial veio a gestação. E agora Tinker está no 10º mês de gestação e mora em uma chácara bem tranquila em São Carlos – SP.

Em um ano, a égua “descartada”, trouxe muita alegria a Karina, que é eternamente grata a ela. Hoje o pai da veterinária, que sempre teve medo de cavalos, é apaixonado pela égua e junto com sua filha está ansioso pela chegada do bebê.

Mais uma vez vemos aqui no Hipismo&Co como com dedicação e carinho esses animais espetaculares que são os cavalos conseguem se superar e nos retribuem com muito amor.

Karina é muito grata a Luciana Calça e ao Fernando Santos da empresa Lavizoo que juntos com ela abraçaram a causa da Tinker, ao Daniel Honsho e demais professores da Unifran que permitiram a permanência da égua no Hospital Veterinário por alguns meses, aos funcionários: Marão, que deu um empurrãozinho para que ela ficasse com a Tinker, ao Edivaldo que foi o responsável pelo casqueamento e ao Marcinho que sempre cuidou tão bem dela. Ela agradece também a todos os residentes e estagiários que de alguma forma ajudaram nos curativos, banhos e mimos. E faz um agradecimento especial  ao seu Pai, Leonelo, a quem ela deve todo o apoio e é quem cuida atualmente de sua querida égua.

tinker2

tinker1

tinker4

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...