Menina de 3 anos muito habilidosa com cavalos, porém sem segurança

Tem alguns vídeos no Youtube de uma menina linda de 3 anos de idade montando uma égua enorme.

A pequena trota, recua e galopa com muita habilidade. Sem dúvida nenhuma a menina é corajosa e monta como uma amazona adulta. A égua apesar de ter apenas 6 anos é muito dócil e está muito bem adestrada. Mas nada disso é desculpa para essa criança estar montando sem capacete.

No meu ponto de vista pode ser o cavalo mais manso de todos e a criança mais habilidosa, mas o uso do equipamento de segurança como capacete e colete deve ser obrigatório. Pois sempre pode acontecer um acidente, como um simples tropeço do animal e a criança cair. Usando pelo menos o capacete sérias contusões podem ser evitadas.

Vejam os vídeos abaixo.

Saldo de confusão em Newcastle tem 29 presos e cavalo agredido com soco

No dia 14 de abril na Inglaterra, o time de futebol Sunderland conquistou um importante resultado ao derrotar o rival Newcastle fora de casa por 3 a 0, pelo Campeonato Inglês, sua primeira vitória com o polêmico técnico Paolo di Canio. A partida, entretanto, ficou ofuscada pela confusão que tomou conta das ruas de Newcastle após o apito final. Irritados com o resultado, torcedores do time da casa enfrentaram a polícia e sobrou agressão até mesmo para um cavalo.

Segundo informações da imprensa inglesa, 29 pessoas acabaram presas em Newcastle por conta do tumulto, que começou ainda no estádio de St James’ Park. Um dos detidos foi um hooligan que acertou soco em um cavalo.

O animal, chamado “Bud”, não se feriu e tornou-se uma celebridade instantânea na Inglaterra. Nesta manhã, o cavalo foi procurado pela imprensa local e teve fotografias publicadas pela seção da polícia montada de West Yorkshire.

“Bud está seguro e bem, comendo e saindo do estábulo. Agradecemos a preocupação”, publicou o setor do policiamento local no Twitter. “Bud está adorando a atenção hoje”, informou o perfil da cavalaria.

Torcedor do Newcastle acertou soco no focinho do cavalo Bud Foto: Daily Mail / Reprodução
Torcedor do Newcastle acertou soco no focinho do cavalo Bud Foto: Daily Mail / Reprodução

fan_newcastle1

Cavalo Bud passa bem após agressão em briga de torcedores Foto: Twitter
Cavalo Bud passa bem após agressão em briga de torcedores Foto: Twitter

Fonte: Terra

 

Meredith Beerbaum usando capacete Pikeur

A amazona Meredith Michaels Beerbaum apareceu montando seu cavalo Checkmate durante o Concurso Hits Thermal na Califórnia com um capacete de modelo novo da Pikeur.

Além do modelo novo do capacete, o que chama atenção, é que as amazonas e cavaleiros mesmo enquanto estão treinando ou aquecendo seus cavalos estão usando o capacete, importante item de segurança.

O que vocês acham do novo capacete?

meredith_pikeurcap

 

Foto: Cheval Photos

Uso do capacete em competições de adestramento

A Federação Equestre Internacional iniciou uma campanha para proteção do Atleta, implementando o uso do capacete protetor. Para isso foi redigido um novo texto para o Art. 427, do Regulamento daquela Federação, que entra em vigor a partir de 1º de janeiro de 2013.

A Confederação Brasileira de Hipismo modificou seu regulamento de acordo com a nova regra da FEI. No adestramento os cavaleiros e amazonas com menos de 18 anos e que montem cavalos com menos de 7 anos devem usar o capacete.
O Art. 427, no item específico a uniformes, passou a ter a seguinte redação, a partir da data acima citada:

1. Capacete protetor e cartola/chapéu coco

Como regra geral o capacete protetor deve ser usado por todos os Atletas (bem como por qualquer pessoa) todo o tempo, quando montado.

Qualquer Atleta (bem como qualquer pessoa), violando essa prescrição deverá ser imediatamente proibido de continuar montando, até que coloque o capacete protetor na cabeça.

A seguinte exceção é aplicada: Atletas com 18 anos ou mais*, montando cavalos de 7 anos ou mais velhos podem usar uma cartola/chapéu coco, ao invés de capacete protetor. Entretanto, essa exceção é limitada à competição e o respectivo aquecimento, imediatamente antes da referida competição (sem nenhuma interrupção antes da mesma), a qual inclui o deslocamento entre as cocheiras e a área de aquecimento, o aquecimento na área específica da competição e o retorno às cocheiras.

No entanto, é recomendado que os Atletas abrangidos por essa exceção usem o capacete protetor em todos os momentos, para sua própria segurança.

Um capacete protetor com a forma de uma cartola pode ser usado nas mesmas situações como uma cartola padrão. *Um Atleta é considerado possuir 18 anos de idade, desde o início do ano (1º de janeiro), no qual atingirá a idade de 18 anos.

cbh

Fonte: CBH

FEI lança campanha para o uso de capacete em todas as modalidades de Hipismo

A FEI iniciou uma nova campanha que promove o uso de capacetes de protecção entre os cavaleiros de todas as modalidade. Em janeiro passará a valer a nova regra da FEI sobre capacetes de segurança.

A campanha, que será realizada principalmente online, começou duas semanas antes da nova regra entrar em vigor, A regra torna a utilização do capacete devidamente fixado obrigatória ao montar no local de concursos da FEI.

O sistema de Advertência – Cartão Amarelo já em vigor será usado para os atletas
que não cumpram a nova regra. Um cartão amarelo de advertência será dado para um
atleta ser lembrado de que ele precisa usar capacete de proteção e também para
atletas não cumpram a leia após lembrete inicial.

Veja aqui a circular da FEI sobre a nova regra.

fei_helmet

Fonte: FEI

Lançamento oficial do Movimento Saltando com Saúde

Aconteceu na noite da última sexta-feira, 23, na Câmara Municipal de São Paulo o Lançamento Oficial do Movimento Saltando com Saúde.

O evento foi marcado pela apresentação oficial do Movimento na voz da mentora Maria Angela Cavalcanti de Paula.

Entre os convidados da mesa de apresentação estavam presentes Luis Roberto Giugni, presidente da CBH, Eduardo Moreira, jovem empresário brasileiro, “pupilo” de Monty Roberts, escritor do Livro Encantador de Vidas, Renato Junqueria Arantes, empresário e cavaleiro de hipismo, Fernando Lefèvre, pedagogo formado pela USP, comunicólogo pela EPHE da Universidade de Paris, prof. Titular da Faculdade de Saúde Pública da USP, Adilson de Toledo Souza, Tenente Coronel da Reserva da PMESP, mestre em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública, com especialização em diversas atividades administrativas e operacionais do Corpo de Bombeiros e do Policiamento Ostensivo e Comunitário, Ana Maria Cavalcanti Lefèvre, Bióloga, doutora em Saúde Pública, educadora em saúde, sócia administradora do Instituto de Pesquisa do Discurso do Sujeito Coletivo- DSC, entre outros grandes representantes do Movimento Saltando com Saúde.

Entenda o Movimento
O Movimento Saltando com Saúde tem como objetivo sensibilizar a sociedade e especialmente os adeptos do hipismo clássico na modalidade salto. Tal sensibilização é parte de um processo e condição necessária para o desenvolvimento posterior de ações e propostas mais específicas de prevenção, no plano legal, buscando:

1. Prevenir acidentes, tanto de cavaleiros como de animais, eliminando os fatores de risco dos acidentes ou buscando minimizar seus efeitos;

2. Preservar a saúde dos animais de competição promovendo seu bem-estar como condição para seu desempenho e para o sucesso esportivo.

Ações:
1. Desenvolvimento de pesquisa entre os diversos segmentos envolvidos com o hipismo visando captar percepções, opiniões, valores e crenças envolvendo a temática em pauta;

2. Desenvolvimento de pesquisa documental para levantamento exaustivo de todo o aparato jurídico existente sobre a matéria;

3. Desenvolvimento de ações educativas e comunicativas (campanhas de massa e ações mais direcionadas) com base nos resultados das pesquisas;

4. Elaboração, com base nos itens 1, 2 e 3, de propostas a serem encaminhadas às autoridades legislativas e técnicas com vistas ao aperfeiçoamento do arsenal tecno-jurídico e ético existente sobre a matéria.

Principal missão deste Movimento:
– Prevenir acidentes, tanto de cavaleiros como de animais, eliminando os fatores de risco dos acidentes ou buscando minimizar seus efeitos;

– Preservar a saúde dos animais de competição promovendo seu bem-estar como condição para seu desempenho e para o sucesso esportivo;

– Possibilitar a ampla discussão de todos os fatores envolvidos na relação humano/animal em busca da melhor compreensão da responsabilidade social inerente à prática do hipismo clássico;

– Estimular e promover a prática desportiva responsável e digna em respeito ao bem estar animal e a preservação ambiental.

Fonte: PFDP – Roberta Milani

Capacete obrigatório para todos os cavaleiros na Florida

O Palm Beach International Equestrian Center na Forida, passou a impor uma nova regra que todos os cavaleiros e amazonas devem usar capacete em suas instalações. Não apenas os cavaleiros que estão em competição, mas todos que montarem a cavalo deve usar um capacete de protecção em todos os momentos. O capacete teve  ser usado  mesmo em cerimônias de premiação.

O anúncio foi feito apenas um mês após a morte do cavaleiro veterano  Donald V. Little, que morreu 29 de fevereiro após um acidente de cavalo, apesar de estar usando capacete.

Capacetes têm sido um problema no mundo do cavalo. Em 2009, o legislativo estadual aprovou uma lei que exige que as crianças menores de 16 anos a usar um capacete ao montar um cavalo em propriedade pública.

Capacetes são considerados de rotina na modalidade salto,  mas cavaleiros de outras modalidades resistem em usar, como os cavaleiros de adestramento.

Instalações do Palm Beach International Equestrrian Center

Fonte: Palm Becah Post

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...